Como reconhecer os sinais da depressão

A depressão é uma doença que faz parte da vida de milhares de pessoas ao redor do mundo. A OMS (Organização Mundial da Saúde) já decretou que este é o mal do século. A falta de ânimo para realizar atividades, a perda do interesse de temas antes apreciados e até mesmo a insônia estão entre os sintomas da doença. É importante estarmos atentos para nossa própria saúde mental e daqueles que nos rodeiam, por isso, hoje você vai saber como reconhecer os sinais da depressão e como trata-la.

O que é depressão?

Há alguns anos, não era difícil ouvirmos alguém falar que depressão era “frescura” da pessoa e que só não saia desse quadro quem não queria. Felizmente, os tempos mudaram e hoje temos conhecimento de que a depressão é um distúrbio mental, capaz de gerar uma tristeza profunda, falta de ânimo e oscilações de humor que chegam a levar o paciente a ter pensamentos suicidas – muito mais sério do que uma simples “frescura”.

Cientificamente, a depressão atinge os medidores bioquímicos que conduzem estímulos por meio dos neurônios. Assim, há um comprometimento desses neurotransmissores que mantém o funcionamento normal do cérebro. Na pratica, significa que o cérebro de uma pessoa depressiva não está trabalhando da forma como costumava fazer.

Segundo a OMS, mais de 300 milhões de pessoas no mundo, independentemente de idade, classe social ou gênero, são portadores da depressão. No Brasil, a estimativa aponta que quase 6% da população passa por esse problema. Além disso, quem já teve um episódio de depressão na vida tem 50% de chances de voltar a ter. A boa notícia é que a depressão, quando diagnosticada e tratada adequadamente, tem cura.

Como reconhecer os sinais da depressão

Antes de falarmos dos sintomas da depressão, é necessário esclarecer que tristeza não significa que a pessoa seja depressiva – a tristeza e a depressão são coisas diferentes. Quando alguém está triste, geralmente existe um motivo, algum fato cotidiano que desencadeou o sentimento. Nesses casos, a pessoa sofre por alguns dias, mas consegue se recuperar sozinha. Na depressão, esse quadro de desanimo dura muito mais tempo, e se não for tratada pode aumentar seu estágio, sendo estes leve, moderado e grave.

Sinais da depressão

Se você percebeu que não é tristeza o seu sentimento ou de alguém que está próximo a você, é hora de tentar reconhecer os sinais da depressão. De forma geral, um paciente depressivo apresenta humor desanimado, baixa autoestima e até sentimentos de inutilidade, perda de interesse nas coisas, insônia ou sono em excesso, ganho ou perda de peso, fadiga, movimentos físicos nervosos (como apertar as mãos frequentemente), sentimentos de desesperança, ansiedade, medo, desespero e culpa, vontade de morrer, dores físicas sem motivos aparentes, entre outros.

Para reconhecer esses sinais, é necessário estar atento ao seu próprio comportamento ou de quem está ao seu redor. A pessoa depressiva costuma dar sinais de que algo não está funcionando da forma normal, apresentando pequenos sintomas que podem ser a chave de um diagnóstico. De qualquer forma, vale lembrar que somente o médico pode dar o veredito sobre a saúde mental de alguém.

Como tratar a depressão?

O primeiro passo para encontrar um tratamento e possível cura do episódio de depressão é o auxílio médico. Psiquiatras, psicólogos e neurologistas são alguns dos profissionais capazes de avaliar a sua saúde e dar um diagnóstico certeiro. Diante disso, o médico conseguirá planejar com você qual a melhor forma de tratamento, sendo uma das mais comuns o uso de medicamentos.

Muita gente acredita que os remédios antidepressivos são como drogas, que vão mudar a personalidade do paciente ou até viciá-lo. Isso não é verdade! Os antidepressivos contam com componentes que ajudam a equilibrar os processos químicos cerebrais, mas só podem ser utilizados quando receitados pelo seu médico.

Tratar a depressão

A psicoterapia é outro recurso interessante no tratamento da depressão, já que um psiquiatra ou psicólogo será capaz de ajudar o paciente a encontrar o que desencadeou a doença. Muitas vezes, nossa saúde mental sofre com a rotina ou com fatos antigos, e a terapia pode ser uma importante ferramenta de busca de respostas no passado para as soluções no presente.

Alguns pacientes também contam com produtos medicamentosos mais leve no tratamento, como suplementos nutricionais e oligoflorais. Já existem no mercado suplementos voltados para harmonização energética, além de soluções que reequilibram os processos cerebrais ou aumentam a sensação de bem estar, para que o paciente consiga ter mais qualidade de vida, ânimo, tranquilidade e controle emocional.

Além disso, uma dieta equilibrada e a prática constante de atividades físicas também podem ser elementos fundamentais na recuperação da depressão. Nesse sentido, vale até mesmo riscar o álcool e os alimentos ultra processados da lista de compras, priorizando ingredientes naturais. Quanto aos exercícios físicos, quando nos movimentamos o cérebro libera endorfinas e aumenta o nível de serotonina e dopamina, os famosos hormônios da felicidade, fazendo com o efeito do antidepressivo seja potencializado.

Existe causa para a depressão?

A depressão não tem somente uma causa. Isso significa que, não é porque algo muito difícil aconteceu em sua vida que você vai desenvolver a depressão. Entretanto, existem alguns fatores que podem servir de gatilhos para a doença.

Entre os fatores mais comuns estão a genética (quando o paciente tem em sua família outros casos semelhantes), abusos físicos e psicológicos, morte ou perda de um ente querido, grandes eventos negativos que impactaram a rotina, a presença de doenças mais graves (como o câncer) ou o uso de substâncias químicas.

Apesar destes fatores citados acima, é importante lembrar que, muitas vezes, a depressão se manifesta mesmo sem a presença de um desses elementos. Afinal, estamos falando de processos cerebrais, e como outras partes do corpo, nosso cérebro também pode apresentar comportamentos disfuncionais.

A ajuda é a melhor solução!

Se você percebeu que pode ter desenvolvido a depressão, procure ajuda! E principalmente, não se sinta culpado por ter a doença. Lembre-se que ninguém escolhe adoecer, e esse é um assunto que merece tanta atenção quanto qualquer outro problema médico. A depressão tem cura e você pode conviver de forma saudável com ela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *